Dos quatro aos quarenta

world-map-asia-pacific

Os EUA declararam recentemente a sua intenção de reduzir efectivos na base das Lages, uma indicação clara de que o seu interesse militar no Atlântico se está a desvanecer. Isto acontece, enquanto reforça a sua presença no Médio Oriente e, especialmente, no Pacífico.

Não é só o centro de interesse militar, mas também comercial e económico do Mundo que passou do Atlântico para o Pacífico. Cada vez mais o comércio mundial se centra na Ásia e menos na Europa. Em 2002 existiam 3 portos europeus e 1 americano entre os 10 maiores do Mundo. Hoje existe apenas 1 porto europeu nesse top10: Roterdão, em 10º lugar. Nos EUA, os portos com mais trâfego localizam-se na costa do Pacífico e não no Atlântico. A Europa, que foi o centro económico, político e comercial do Mundo durante vários séculos passou agora para a periferia de um mundo cada vez mais centrado na Ásia e no Pacífico. As evoluções demográfica e económica recentes só tenderão a reforçar este efeito.

As implicações para Portugal deste movimento são dramáticas. Portugal que, apesar de sempre ter estado na periferia da Europa, beneficiava da sua plataforma Atlântica para estar no centro do Mundo, deixou de o poder fazer. A emergência económica e comercial das potências asiáticas arrumou com Portugal para a periferia mundial. Portugal é hoje um país periférico num continente também em vias de se tornar periférico .

Infelizmente Portugal está muito longe de se ter preparado para esta situação. Embora a desmaterialização da economia trazida pelas novas tecnologias possa ajudar a suavizar este efeito de periferia, será necessário capital para aproveitar os benefícios dessa nova tecnologia. Como irá então um país pequeno, periférico, sem grandes recursos naturais, atrair capital que lhe permita sobreviver na periferia do Mundo? Da mesma forma que o fizeram a Coreia do Sul ou Singapura no passado: baixando drasticamente os custos de contexto e a carga fiscal, e digo drasticamente porque não bastará que esses custos sejam os mesmos que os de outros países, terão que ser muito mais baixos do que os países do centro para compensar a situação periférica do país. Isso implicará cortar bastante as despesas do Estado, muito para além do que qualquer estudo do FMI recomendará. Quatro mil milhões será pouco. Provavelmente o corte necessário estará mais próximo dos quarenta.

2 comentários a “Dos quatro aos quarenta

  1. atrair capital [d]a mesma forma que o fizeram a Coreia do Sul ou Singapura no passado

    Segundo creio, o desenvolvimento económico da Coreia do Sul foi na sua maior parte produzido com capital próprio e não mediante a atração de capital estrangeiro. A Coreia do Sul permaneceu até muito tarde um país muito fechado aos movimentos de capital.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s